sábado, 28 de novembro de 2015

Resposta ao "quadrinho" do "Em Nome do Troll"


Ateus realmente não entendem bulhufas sobre Deus e como Ele age. Enfim, é simples: Pessoas são livres e é logicamente impossível criar seres livres, sem a capacidade de fazer escolher. Deus também pode ter razões morais o suficiente para permitir que o mal aconteça. O ateu tem que mostrar que é logicamente impossível que Deus, um ser que ve o futuro e todas as possibilidades, tenha uma razão moral para permitir o mal. Alem disso, dizer que "crimes" e o "nazismo" são moralmente errados é dizer que existe um jeito certo de se viver. Se existe um jeito certo - uma forma como as coisas deveriam ser - então existe uma Lei Moral. E se existe essa Lei, então existe um Legislador moral. 
De fato, dizer que Deus age de forma errada pressupõe que haja uma forma certa, o que pressupõe que haja uma Lei Moral, o que implica em um Legislador. Mas, nesse caso, esse Legislador teria que ser maior do que Deus. Porem, como Santo Anselmo colocou, Deus tem que ser o maior ser possível, se não alguém poderia ser maior do que Ele e então esse ser maior seria Deus. Portanto, Deus age da forma certa, e o seu julgamento é que é errado.
Peter Van Inwagen diz:

“Costumava ser muito dito que o mal era incompatível com a existência de Deus. Que nenhum mundo possível poderia conter tanto Deus quanto o mal. Até onde posso dizer, essa tese não é mais defendida.” [Peter Van Inwagen, “The Problem of Evil, the Problem of Air, and the Problem of Silence”, em Philosophical Perspectives, vol. 5: Philosophy of Religion, p. 135.]

E William Alston que foi um professor emérito de filosofia da Universidade de Syracuse, conclui:

“O esforço para demonstrar que o mal refuta Deus é agora reconhecido em quase todas as áreas da filosofia como completamente falido” [William Alston, “The Inductive Argument from Evil and the Human Cognitive Condition”, em Philosophical Perspectives, vol. 5: Philosophy of Religion, p. 29]

Por fim, a passagem no Egito tem um significado mais importante. Não apenas Deus livra o Seu povo, mas isso mostra que, no futuro, Deus livrará a Igreja do mal que a persegue. Alem disso, Deus não tem obrigação nenhuma de agir da mesma forma com todos. Como dito acima, Deus pode muito bem ter razões morais o suficiente para permitir que algumas coisas aconteçam.
Em suma, esse é mais um lixo ateísta... (Eu escrevi uma longa resposta ao problema do mal que pode ser lida clicando aqui.)

3 comentários:

  1. Grato por mais essa postagem.
    Muita paz.

    ResponderExcluir
  2. Felipe, não tem nada a ver com o que foi abordado aqui, mas tenho algumas perguntas a ti.
    Gostaria de saber o que você acha de temas como homossexualismo, família, casamento, etc. Você é a favor da instituição (que é sagrada) da família? E o que você acha então do aborto ou temas parecidos? Seria legal um texto aqui explicando a respeito desses temas que também são muito importantes de serem abordados quando se trata de falar sobre Cristianismo.

    ResponderExcluir
  3. EM RESUMO: DEUS PRECISA AGIR SEMPRE DE ACORDO COM AS IDEIAS DOS CRENTES. KKKKKKKKK

    ResponderExcluir