quinta-feira, 5 de maio de 2016

Poderíamos usar Isaías 28:13 como principio de hermenêutica?


Poderíamos usar Isaías 28:13 como principio de hermenêutica? Quer dizer, pegar um pouco dali e um pouco daqui pra tentar interpretar corretamente as Escrituras? Vejamos a parte que os adeptos a esse “principio” citam:

Por isso o Senhor lhes dirá: "Ordem sobre ordem, ordem sobre ordem, regra e mais regra, regra e mais regra; um pouco aqui, um pouco ali..." - Isaías 28:13a

Alguns Adventistas do Sétimo Dia podem usar esse meio-verso para justificar as suas “escolhas” de textos da Bíblia, ignorando o contexto, apenas para dar suporte às doutrinas ensinadas por Ellen White. Alguns outros grupos também utilizam esse texto como “texto-base” de hermenêutica. Existem, porém, problemas sérios com isso. Em primeiro lugar, abre portas para uma série de heresias. Por exemplo, poderíamos pegar o seguinte texto isoladamente:

Porque este Melquisedeque, que era rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, e que saiu ao encontro de Abraão quando ele regressava da matança dos reis, e o abençoou;
A quem também Abraão deu o dízimo de tudo, e primeiramente é, por interpretação, rei de justiça, e depois também rei de Salém, que é rei de paz;
Sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, mas sendo feito semelhante ao Filho de Deus, permanece sacerdote para sempre.
Hebreus 7:1-3

Veja só: Melquisedeque significa “rei de justiça”, e “rei de Sálem” é “rei da paz”. Sendo sacerdote do Deus Altíssimo também. Sem pai, nem mãe e nem genealogia. Ora, Jesus é tudo isso. Logo, a conclusão espirita de que Melquisedeque é a reencarnação de Jesus tem sustento. Ou, poderíamos usar esse texto para concluir que Melquisedeque é um outro nome de Jesus, assim como fazem com o Arcanjo Miguel. Porem, em contexto, ao chegarmos no versículo 15, nós lemos:

E muito mais manifesto é ainda, se à semelhança de Melquisedeque se levantar outro sacerdote. - Hebreus 7:15

Com esse versículo, vemos na verdade que Jesus e Melquisedeque são pessoas distintas, sendo Jesus outro sacerdote, semelhante. O texto esta falando em sentido comparativo. Mas, com o “principio hermenêutico” de Isaías 28:13, deveríamos considerar aquele pedaço e tentar interpretar o contexto de outra forma, ou ignora-lo.*
O segundo problema é que, não surpreendentemente, esse versículo esta incompleto. Não é nem ao menos o versículo completo que é usado. Pois o versículo completo bota em cheque o uso desse principio como base hermenêutica:

Por isso o Senhor lhes dirá: "Ordem sobre ordem, ordem sobre ordem, regra e mais regra, regra e mais regra; um pouco aqui, um pouco ali", para que saiam, caiam de costas, firam-se, fiquem presos no laço e sejam capturados.
Isaías 28:13

Então, se considerarmos o versículo todo, ele esta alertando contra essa pratica. Dizendo que quem praticar isso, vai cair de costas, se ferir e ficará preso.
Em suma, não devemos usar como base para interpretação das Escrituras textos fora de contexto escolhidos apenas para favorecer doutrinas pressupostas. Tal “técnica” abre espaço para uma série de problemas de interpretação, além da Bíblia nos alertar contra isso. 

*Esse ponto foi feito pelo Pr. Thomas Tronco em seu debate com o Pr. adventista Marcos Alves, no tema "Jesus é Miguel?" do programa Vejam Só. Link: https://www.youtube.com/watch?v=5J2BNdXSg08 [1:05:38]

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Essa interpretação de forma independente do contexto de Isaías 28:10,13 tem martelado em minha mente há alguns dias. Hoje durante minhas leituras diárias isso se agravou. E agora acabo de ler o texto que escreves-te, só reforçou minha ideia. Amém.

    ResponderExcluir