sexta-feira, 17 de julho de 2015

Avaliando os argumentos de Daniel Sottomaior


Em seu debate com Eduardo Aquino, Daniel Sottomaior (presidente da ATEA) levantou algumas objeções bem ruinzinhas ao Argumento Cosmológico Kalam (Ou, como ele chamou, “argumento das origens”) e apresentou algumas afirmações sem base. Agora, por que esses argumentos são tão ruins? Basicamente, Sottomaior parece não entende o argumento nem a conclusão.
Sobre questões de países ateus e cristãos, não vejo relevância pra questão da existência de Deus. (Claro, esse não era o tópico do debate, mas o que quero comentar são nos pontos relacionados a existência de Deus.)

Avaliando os argumentos de Daniel Sottomaior


O Argumento Cosmológico Kalam tradicional


Antes de começar, é bom entender (resumidamente, é claro) o que é o “argumento das origens”:

Premissa 1 – Qualquer coisa que comece a existir tem uma causa

Premissa 2 – O Universo começou a existir

Conclusão – Portanto, o Universo teve uma causa.

Premissa 2 pode ser defendida tanto com argumentos filosóficos como com evidencias cientificas. Cientificamente falando, a descoberta de que o universo esta em expansão trouxe a tona a cosmologia do Big Bang, que diz que, se rebobinarmos essa expansão, o universo chega a uma origem conhecida como “Big Bang”. Em 2003, Arvind Borde, Alan Guth e Alexander Vilenkin demonstraram que qualquer universo em expansão não pode ter o passado eterno, mas deve ter um inicio em uma fronteira do espaço e tempo. [Fonte: Inflationary spacetimes are not past-complete] Então, tal premissa esta bem defendida.
Agora, após a conclusão nós podemos ver quais propriedades a causa do universo deve ter. Já que o universo abrange todo o espaço, tempo e matéria, a causa do universo tem que transcender o espaço, tempo e matéria. Não apenas isso, mas essa causa tem que ser um agente pessoal, já que, se ficou em um estado permanente com condição de criar o universo, então porque apenas a cerca de 14 bilhões de anos deu origem a esse novo efeito? Por exemplo, um homem que esta sentado pela eternidade e resolve se levantar só o faz por ser uma pessoa, que tem livre arbítrio para escolher. Então a unica forma de uma causa permanente dar inicio a um efeito novo como o universo é se ela escolher criar esse universo.
Basicamente, é isso. Agora, vamos ver as objeções de Sottomaior.
(Texto avançado: O Argumento Cosmológico Kalam e versão basica)

Comentários de Sottomaior


Ele diz:

“Os argumentos em respeito da existência de Deus são todos facilmente refutáveis. Qualquer um deles.” (12:28)

Uma breve analise psicológica aqui nos mostra que Sottomaior esta apenas tentando “ser superior”. Essa afirmação não só da a ele um “status” ao vivo, como também é uma ofensa aos grandes filósofos que passam anos estudando esses assuntos. Argumentos Cosmológicos, Teleológicos, Morais, Ontológicos, etc não são “facilmente refutáveis”. O que Sottomaior precisa fazer aqui é parar de ler Dawkins e ver como os filósofos da religião contemporâneos defendem esses argumentos. Mas enfim, continuando...

“argumento das origens [...] a ciência já respondeu, esse é o mais interessante. De onde viemos? Darwin já nos disse de onde viemos! A cosmologia já disse de onde o universo veio! E a neurociência já nos disse que tudo que nós somos esta no nosso cérebro! Não há alma, não há espirito. Isso é simplesmente uma ideia de pessoas de 300 mil anos atrás.” (12:36)

Isso é simplesmente idiota. Primeiro, Darwin disse como as espécies evoluíram, não como a vida começou. A origem da vida nada tem a ver com a evolução das espécies. Mas deixemos isso de lado, já que eu creio que Deus usou métodos naturais para chegarmos aqui.
Quanto a cosmologia, eu realmente quero saber a que ele de refere. Seria o vácuo quântico? Me desculpe Sottomaior, mas o vácuo quântico é algo em extrema instabilidade, isso é admitido até mesmo por Lawrence Krauss. Ele não duraria uma eternidade por causa de sua instabilidade e mesmo que pudesse, não poderia de repente agir de forma diferente para criar o espaço-tempo clássico.
Seria o Multiverso? Me desculpe, mas o teorema Borde Guth Vilenkin diz que até mesmo um possível multiverso requer um inicio absoluto. Porem, não existe evidencia alguma do multiverso e ele encontra um problema insuperável: Se fossemos apenas um membro aleatório de um grande conjunto de universos, seria gigantescamente mais provável que estivéssemos observando um universo do tamanho de nosso sistema solar. De fato, o universo mais provável é um em que um único cérebro aparece do vácuo quântico e observa seu universo vazio. Esse universo é gigantescamente mais provável do que o nosso. Mas, como nós não temos observações como estas, isso já serve como forte argumento contra o multiverso. [Fonte: Roger Penrose, “Time-asymmetry and quantum gravity” em “Quantum Gravity 2”, p. 249]
E que tal a consciência? Sottomaior alguma vez na vida pegou um livro de filosofia da mente ou de neurociência de verdade? Consciencia não pode ser um fenômeno físico, me desculpe. Como J. P. Moreland colocou, “... eu sei que minha consciência não é um fenômeno físico porque existem coisas que são verdades para minha consciência que não são verdade para nenhum objeto físico. [...] Alguns de meus pensamentos tem o atributo de serem verdadeiros. Tragicamente, alguns tem o atributo de serem falsos. [...] Porem, nenhum de meus estados cerebrais é verdadeiro ou falso. Nenhum cientista pode olhar para o estado de meu cérebro e dizer ‘oh, olhe esse estado particular do cerebro é verdade e esse outro é falso.” [J. P. Moreland, “The Evidence from Counciousness”, em Lee Strobel, “The Case for a Creator”, p. 258]
Ele oferece algum argumento para sustentar sua posição, mostrando o caso do homem que perfurou acidentalmente seu cerebro com uma barra de aço e depois mudou completamente. Mas como eu apontei no meu texto sobre o Argumento da Consciência, um dualista argumentaria que a relação da mente e do corpo é a de como um musico e seu instrumento: Se o instrumento for danificado, então o musico não consegue tocá-lo corretamente. Da mesma forma que o cérebro pode afetar a mente, a mente pode afetar o físico.
Se tudo é material, então os ateus não podem dizer que são os “livres pensadores” e donos da razão. Por que? Simples: Se tudo for material, então seu cérebro é apenas uma massa com química que obedece as leis da natureza. Mas, se a química do seu cérebro é regida pelas leis da natureza, então você não tem livre arbítrio, pois tudo é determinado por uma lei imutável que segue padrões. Com isso, não apenas não são livres como também não podem raciocinar. Sem pensamento livre = sem razão. John Lennox conta uma pequena história para demonstrar como esse pensamento é irracional:

“Eu vejo meus alunos ateístas e pergunto ‘com o que você faz ciência?” e eles me dizem, ‘com o cérebro.’ Então eu pergunto, ‘o que é seu cérebro?’ e eles me responderam ‘apenas matéria fruto de forças cegas e não guiadas’. E eu respondo, ‘e você confia nisso?‘”

Peter Gearch diz:

Quando ouvimos de alguma nova tentativa de explicar a razão... de forma natural, nós deveríamos reagir como se nós fossemos ditos que alguém deixou um circulo com quatro lados. [Peter Gearch, “The Virtues”, p. 52]

Alem disso, em uma visão inteiramente materialista, somos apenas fruto de uma evolução cega que se preocupou apenas com sobrevivência e reprodução. Mas, se tudo o que fomos adquirindo nesse processo serve apenas pra sobrevivência, como podemos confiar que ele nos passou informações verdadeiras? Revista Time diz que Biólogo J. M. Smith “nunca entendeu o porquê de organismos terem sentimentos. Afinal de contas, biólogos ortodoxos creem que o comportamento, embora complexo, é governado completamente pela bioquímica, e que sensações criadas – medo, dor, preocupação, amor – são apenas sombras lançadas por essa bioquímica, não sendo vitais para o comportamento do organismo...” [Time, 28 de dezembro de 1992, p. 41]
Patricia Churchland diz:

“A ocupação principal [do cérebro] é colocar as partes do corpo onde elas deveriam estar para que o organismo possa sobreviver. Melhora no controle sensório-motor conferem uma vantagem evolucionária: um estilo observador [do mundo] é vantajoso enquanto ele [...] aumenta a chance do organismo de sobreviver. Verdade, o que quer que isso seja, fica em desvantagem.” [Journal of Philosophy (LXXXIV, outubro de 87) p. 548]

Então, se o naturalismo for verdade, não podemos saber nada sobre a realidade, incluindo se o naturalismo é verdade. (leia este texto sobre o Argumento Evolucionista Contra o Naturalismo também)
Continuando...

“das duas, uma: ou tudo é criado por outra coisa, ou nem tudo é criado por outra coisa. Se tudo é criado por outra coisa, então esse Deus foi criado por um outro Deus que foi criado por um outro Deus então, a ideia religiosa tem um problema. Se nem tudo é criado por outra coisa, então por que pensar em Deus?” (13:11)

Aqui vemos claramente como Sottomaior não entendeu o argumento. Como disse acima: O argumento diz que tudo o que começa a existir tem uma causa. Porem, a cadeia de causas não pode ser infinita. Então deve haver uma primeira causa não causada. Se Deus não começou a existir, então Ele não teve uma causa. Um ser atemporal não tem começo. E antes de dizerem “ah, mas você esta redefinindo Deus!” Não, mongo. Eu estou usando o conceito tradicional do Deus Cristão.
Essa objeção é tão ruim, mas tão ruim, que ela nem ao menos responde ao argumento. Deixe-me listar quatro problemas: (1) Se Deus tivesse uma causa, a causa teria que ser maior que Ele, sendo assim a causa seria Deus; (2) Um ser atemporal não tem começo. Logo, não tem uma causa; (3) Mesmo se Deus precisasse de uma causa, isso não invalidaria a existência dEle. Para se admitir uma explicação como a melhor, não precisamos de uma explicação da explicação (Dã); (4) Deus é por definição um ser Necessário, não Contingente. Um ser Necessário não pode falhar em existir. Perguntar “quem criou Deus” é o mesmo que perguntar “quem criou o ser não-criado?”
Qualquer argumento cosmológico diz que, já que coisas contingentes – ou coisas que começam a existir – existem, devem haver explicações ou causas para elas. Porem, essa serie não pode ser eterna, chegando assim a uma primeira causa não-causada. Ou um motor imóvel. Até mesmo o site Common Sense Atheism concorda que essa objeção é incrivelmente ruim. [Who Designed the Designer? http://commonsenseatheism.com/?p=6113]
E isso não é tratamento especial para Deus. Essa é a definição que qualquer teísta daria a Deus: A Primeira Causa não-causada, o Motor imóvel, um Ser Necessário. Michael Jones, do canal Inspiring Philosophy, diz:

“O filosofo ateu David Hume disse que o universo era necessário. Se você tivesse ido até David Hume e tentado refutar a teoria dele de que o universo era não-causado, perguntando: ‘Se o universo é a explicação para a nossa existência, então o que criou o universo?’ Ele teria simplesmente respondido que o universo é necessário e, portanto, não precisa de um criador.” [Inspiring Philosophy, “Worst Objection to Theism: Who Created God?” (3:03)

Continuando...

“As pessoas perguntam ‘por que você não acredita?’ ,as a pergunta na verdade deveria ser ao contrario, ‘por que você acredita?’. Porque as pessoas como eu poderiam simplesmente apontar ‘bem, os motivos pra se crer são ruins’” (21:18)

Isso é simplesmente ridículo. Se você não acha os argumentos bons (o que eu duvido, já que ele claramente nunca interagiu seriamente com eles), ainda pode ser o caso de Deus existir. Como filosofo ateu Kai Nielson colocou:

“Mostrar que um argumento é invalido ou que não é convincente não é o mesmo que mostrar que a conclusão do argumento é falsa [...] Todas as provas da existência de Deus podem falhar, mas ainda pode ser o caso de Deus existir. Em suma, mostrar que as provas não funcionam não é o bastante. Ainda pode vir a ser o caso de Deus existir.” [Kai Nielsen, “Reason and Practice”, pp. 143-4.]

Ateísmo é a crença de que apenas o mundo material existe, não a ausência de crença em Deus ou deuses. Se fosse, então o ateísmo seria uma posição que não requer nenhum pensamento e estaria no mesmo nível de uma lesma ou uma arvore.
Continuando...

Quanto, porém, a esses meus inimigos, que não quiseram que eu reinasse sobre eles, trazei-os aqui e executai-os na minha presença. (Lucas 19:27) (31:00)

Desonestidade intelectual parece ser o forte de Sottomaior. Jesus estava contando uma parábola.
Um dos princípios de interpretação Bíblica, é que você não pode interpretar uma passagem de um jeito sem considerar passagens que negam a sua interpretação. Especialmente de for do mesmo autor. O cara que disse “amai-vos uns aos outros” e ensinou a “perdoar os inimigos” não diria pra trazer a pessoa a sua frente e mata-la.
Veja o contexto completo:

Disse pois: Certo homem nobre partiu para uma terra remota, a fim de tomar para si um reino e voltar depois.
E, chamando dez servos seus, deu-lhes dez minas, e disse-lhes: Negociai até que eu venha.
Mas os seus concidadãos odiavam-no, e mandaram após ele embaixadores, dizendo: Não queremos que este reine sobre nós.
E aconteceu que, voltando ele, depois de ter tomado o reino, disse que lhe chamassem aqueles servos, a quem tinha dado o dinheiro, para saber o que cada um tinha ganhado, negociando.
E veio o primeiro, dizendo: Senhor, a tua mina rendeu dez minas.
E ele lhe disse: Bem está, servo bom, porque no mínimo foste fiel, sobre dez cidades terás autoridade.
E veio o segundo, dizendo: Senhor, a tua mina rendeu cinco minas.
E a este disse também: Sê tu também sobre cinco cidades.
E veio outro, dizendo: Senhor, aqui está a tua mina, que guardei num lenço;
Porque tive medo de ti, que és homem rigoroso, que tomas o que não puseste, e segas o que não semeaste.
Porém, ele lhe disse: Mau servo, pela tua boca te julgarei. Sabias que eu sou homem rigoroso, que tomo o que não pus, e sego o que não semeei;
Por que não puseste, pois, o meu dinheiro no banco, para que eu, vindo, o exigisse com os juros?
E disse aos que estavam com ele: Tirai-lhe a mina, e dai-a ao que tem dez minas.
(E disseram-lhe eles: Senhor, ele tem dez minas. )
Pois eu vos digo que a qualquer que tiver ser-lhe-á dado, mas ao que não tiver, até o que tem lhe será tirado.
E quanto àqueles meus inimigos que não quiseram que eu reinasse sobre eles, trazei-os aqui, e matai-os diante de mim. - Lucas 19:12-27

O que Jesus esta dizendo aqui é uma das tarefas do Cristão é evangelizar. Mas aquele que não usa o que recebeu para o evangelismo, terá o que recebeu tirado de si. E aqueles que não se converteram, pois estavam mais preocupados com si mesmos do que com a adoração a Deus estão indo pro caminho errado. Jesus estava simplesmente usando “tipos de pessoas” que seriam conhecidas das pessoas da época para dar uma lição de espiritualidade.

Conclusão


Não vou avaliar o vídeo inteiro, mas esses são pontos que queria comentar. Eu sei que esse debate aconteceu há alguns anos, mas se Sottomaior quiser manter seu ateísmo de forma racional, ele precisa urgentemente interagir com apologética contemporânea ao invés de ler Dawkins, Harris e Hitchens. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário