terça-feira, 22 de novembro de 2016

"Não preciso de teologia! Só de Jesus!" - Uma Resposta


Calma calma. Esse texto não nega a suficiência de Cristo. Mas apenas apela para a importância do estudo da teologia, filosofia e apologética. 
No meio cristão, sempre existem aqueles que dizem “Eu não preciso de teologia! Eu não preciso de filosofia! Eu não preciso de apologética! Eu só preciso de Jesus!”. De fato, para a salvação tudo o que precisamos é de Jesus, sendo salvos apenas pela graça:

Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos) [...]
Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.
Não vem das obras, para que ninguém se glorie;
Efésios 2:5, 8-9

E, tirando-os para fora, disse: Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar?
E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo [...]
Atos 16:30,31

Porém, não apenas essa visão de que o cristão não precisa de teologia é não-bíblica, como também é auto-refutável. Primeiro, não é bíblica pois vemos o tempo inteiro na Bíblia tanto Jesus quanto os apóstolos falando por meio da teologia judaica e cristã utilizando as Escrituras. E qualquer um que leu o Novo Testamento sabe que em incontáveis vezes Jesus e Paulo falaram “Como esta escrito...”, “As Escrituras Sagradas dizem...”, “Pois Deus falou por meio do profeta...”, etc. O próprio Apostolo Paulo, quando partia para a evangelização, utilizava de métodos teológicos e apologéticos para sua defesa da fé. É por isso que ele declara que foi preso por causa de sua defesa:

Como tenho por justo sentir isto de vós todos, porque vos retenho em meu coração, pois todos vós fostes participantes da minha graça, tanto nas minhas prisões como na minha defesa e confirmação do evangelho.
De maneira que as minhas prisões em Cristo foram manifestas por toda a guarda pretoriana, e por todos os demais lugares;
Uns, na verdade, anunciam a Cristo por contenção, não puramente, julgando acrescentar aflição às minhas prisões.
Mas outros, por amor, sabendo que fui posto para defesa do evangelho.
Filipenses 1:7, 13, 16-17

De fato, não estudar teologia (não falo do curso) faz com que o cristão não saiba combater as seitas e heresias quando precisar, e isso é ir contra o mandamento bíblico de “batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos.” (Judas 1:3) Mesmo se você for um Calvinista que não quer defender a fé cristã por que "os eleitos serão salvos não importa o que você faça", você não pode ignorar o comando bíblico para defender a fé. Apóstolo Pedro diz:

Antes, santifiquem Cristo como Senhor no coração. Estejam sempre preparados para responder a qualquer que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês.
1 Pedro 3:15

As palavras gregas para "para responder" são πρὸς ἀπολογίαν (pros apologian), que significam literalmente "para defender". ἀπολογία (Apologia) também é usado em Filipenses 1:17 (ou no v. 16, dependendo da versão); 2 Coríntios 7:11; Atos 22:1; 25:16; entre outras.
Segundo, mesmo quando alguém fala que “só precisa de um relacionamento com Jesus”, ele esta fazendo uma afirmação teológica. Ele nem ao menos pode negar que para tal crença ele deve crer que Jesus é o Filho de Deus e que ressuscitou dos mortos. 
R. C. Sproul bem colocou os problemas dessa crença:

Existem pessoas que pensam que: “Tudo o que preciso para ser um cristão é ter um relacionamento pessoal com Jesus. Não preciso de doutrina. Não preciso de nenhuma teologia...” [...] “Não acredito em proposições. Creio em Jesus. Ele é uma pessoa, não uma proposição”.
É verdade, como tais pessoas dizem, que alguém pode ter conhecimento das proposições de Jesus sem conhecê-lo. Podemos saber acerca de Jesus e não ter um relacionamento pessoal com ele. Já quando falamos com as pessoas sobre este Jesus, com o qual temos um relacionamento pessoal, falamos coisas a respeito dEle. Dizemos: “Este Jesus é o eterno Filho de Deus”. Essa é uma proposição. O Jesus com o qual quero ter um relacionamento realmente é o eterno Filho de Deus. Não podemos ter um relacionamento pessoal redentor com Ele a menos que saibamos quem Ele é, e possamos confirmar a verdade a respeito dEle – que realmente morreu na cruz para a redenção, e que é verdade que saiu do tumulo. Se dissermos que temos um relacionamento pessoal com Cristo, mas não acreditamos que ressuscitou dos mortos, então estamos dizendo que possuímos um relacionamento pessoal com um cadáver. [1]

A fé bíblica não pode ser uma fé cega ou sem o qualquer base factual. Isso é fideísmo. Como Sproul diz, “A Bíblia nunca nos diz para dar um salto na escuridão e esperar que exista alguém lá. Ela nos diz para saltarmos das trevas para a luz. Isso não é salto no escuro. A fé pela qual o Novo Testamento nos chama é a fé enraizada e solidificada em algo que Deus fez de forma clara.” [2]




[1] SPROUL, R. C.. Defendendo sua fé: Uma Introdução à Apologética. 1 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007. p. 19-20
[2] Ibid, p. 20

Nenhum comentário:

Postar um comentário