quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Resposta ao Fatos Desconhecidos sobre o inferno


Fatos Desconhecidos... desconhecidos mesmo. A página Fatos Desconhecidos postou um artigo argumentando que a Bíblia não fala de inferno. Eu, particularmente recomendaria que os autores estudassem O MINIMO da Bíblia ou teologia e não ficassem com “exegese de Super Interessante” ou com coisas radicais de gente que não entende do assunto mas quer polemizar.

Resposta ao Fatos Desconhecidos sobre o inferno


1. “A bíblia não menciona o inferno” – Resposta


O site diz:

A maioria das pessoas que acreditam em Deus possuem uma ideia de que o inferno é um lugar de punição para os pecadores e malfeitores. Mas será que isso tem uma fundamentação bíblica? De acordo com Romanos 6:7 “aquele que está morto está justificado do pecado”. Sendo assim, se os pecados de uma pessoa são pagos com a morte, por que existira uma punição após ela?
Em Romanos 6:23 temos outra referência: “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor”. Ou seja, é falado sim sobre vida eterna, mas não há menção sobre os pecadores serem condenados à tortura eterna.

Isso é bem fácil de se refutar. Qualquer um que le o livro de Romanos sabe o contexto dessas passagens. Veja o que o texto de Romanos 6 diz:

Que diremos então? Continuaremos pecando para que a graça aumente?
De maneira nenhuma! Nós, os que morremos para o pecado, como podemos continuar vivendo nele?
Ou vocês não sabem que todos nós, que fomos batizados em Cristo Jesus, fomos batizados em sua morte?
Portanto, fomos sepultados com ele na morte por meio do batismo, a fim de que, assim como Cristo foi ressuscitado dos mortos mediante a glória do Pai, também nós vivamos uma vida nova.
Se dessa forma fomos unidos a ele na semelhança da sua morte, certamente o seremos também na semelhança da sua ressurreição.
Pois sabemos que o nosso velho homem foi crucificado com ele, para que o corpo do pecado seja destruído, e não mais sejamos escravos do pecado;
pois quem morreu, foi justificado do pecado.
Ora, se morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos.
Pois sabemos que, tendo sido ressuscitado dos mortos, Cristo não pode morrer outra vez: a morte não tem mais domínio sobre ele.
Porque morrendo, ele morreu para o pecado uma vez por todas; mas vivendo, vive para Deus.
Da mesma forma, considerem-se mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus.
Romanos 6:1-11

Note que os temas aqui são morte para o pecado e vida em Cristo. Morte para o “velho homem”. Aquele que morre para si mesmo e esta em Cristo esta justificado do pecado.
O versículo 23 também esta acompanhando o tema recorrente em Romanos, que é a morte espiritual causada pelo pecado. A morte espiritual é a separação de Deus. O salário do pecado é a separação de Deus, mas Cristo nos da a vida eterna.

2. “Muitas referências ao inferno foram erros de tradução” – Resposta


O site diz:

Ao longo dos anos, muitos erros bíblicos de tradução acabaram sendo identificados, entre eles está a tradução das palavras gregas e hebráicas hades, sheol, tatarus e gehenna, que podem ter diferentes significados em seu contexto original. Hades e sheol, por exemplo, que são mais ou menos equivalentes em grego e hebraico, foram traduzidas como “lugar de tormentos”, que seria o inferno. No entanto, uma melhor tradução para elas seria “sepultura” ou simplesmente “vida após a morte”.

Pelo bem do argumento, vamos supor que isso esteja correto. Ainda assim se segue o fato da Bíblia não citar o inferno? Não, de modo nenhum. O conceito de inferno esta na Bíblia independente da tradução de sheol, hades, gehenna ou tatarus. Olhe bem para os seguintes textos Bíblicos:

E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno.
Daniel 12:2

E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna.
Mateus 25:46

E a fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre; e não têm repouso nem de dia nem de noite os que adoram a besta e a sua imagem, e aquele que receber o sinal do seu nome.
Apocalipse 14:11

E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde estão a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre.
Apocalipse 20:10

Jesus também falou em outra parte sobre o ranger de dentes, que exige que haja consciência após a morte:

Na verdade o Filho do homem vai, como dele está escrito, mas ai daquele homem por quem o Filho do homem é traído! Bom seria para o tal homem não haver nascido.
Marcos 14:21

Mas aqui vai o ponto importante: Não há sequer uma passagem bíblica onde sheol e hades são usados como sepultura para o enterro de corpos. Quando o contexto é enterro, a palavra hebraica usada é kevurah e a grega é mnemeion. Veja essas passagens como exemplo:

Disseram a Moisés: "Foi por falta de túmulos [kevurah] no Egito que você nos trouxe para morrermos no deserto? O que você fez conosco, tirando-nos de lá?
Êxodo 14:11

Mas você é atirado fora do seu túmulo [kevurah], como um galho rejeitado; como as roupas dos mortos que foram feridos pela espada; como os que descem às pedras da cova; como um cadáver pisoteado,
Isaías 14:19

No lugar onde Jesus foi crucificado havia um jardim; e no jardim, um sepulcro [mnemeion] novo, onde ninguém jamais fora colocado.
João 19:41

3. “Alguns conceitos de inferno parecem não-cristãos” – Resposta


O site diz:

De acordo com a religião egípcia antiga, havia uma caverna com um lago de fogo, onde as almas dos ímpios eram punidas por suas transgressões durante a vida. Os primeiros mesopotâmios também acreditavam na existência de um submundo que se localiza no subterrâneo.
Outra religião praticada na região onde hoje existe o Irã, acreditava que as almas dos pecadores eram julgadas após a morte e condenadas a uma punição eterna no submundo. O local era descrito como um poço cheio de fogo, fumaça e demônios. Lá, as almas seriam torturadas de acordo com as transgressões que haviam sido cometidas na Terra. Isso te lembra alguma coisa? É, parece que o conceito criado de inferno não é tão inovador assim.

E eu aqui achando que o titulo do artigo deles era "cinco evidências bíblicas..." Mas o que eu sei, não é mesmo?
Eu não vou entrar no mérito da avaliação histórica já que essa não é minha área. Mas deixe-me fazer alguns comentários. Primeiro, tal argumento comete a falácia post hoc ergo propter hoc. Quer dizer, só porque X acontece antes de Y, isso não significa que X seja a causa de Y. Então, mesmo se conceitos parecidos com os do inferno bíblico estiverem nas religiões pagãs, isso não implica que os hebreus e primeiros cristãos copiaram. Segundo, também comete a falácia genética. Esta apontando para a possível origem de uma crença para tentar invalidar sua verdade. Terceiro, é bem improvável que os Judeus tenham copiado um conceito pagão. Isso porque no Antigo Testamento inteiro fica explicito o repudio deles pelas crenças pagãs e suas praticas.

4. “O inferno contradiz o antigo testamento” – Resposta


O site diz:

Apesar de a vida após a morte ser mencionada no novo testamento, como você pôde ver nos itens anteriores, no velho testamento não há referência à ideia de que a vida continua depois de morrer. Jó 3: 11-18 é um exemplo disso. Os versículos sugerem que a morte é apenas uma cessação, se fala apenas em repouso.
Já em Eclesiastes 3:19 a possibilidade de vida após a morte parece ainda menor, “o destino do homem é como a dos animais; o mesmo destino aguarda a ambos: como morre um, assim morre o outro. Todos têm o mesmo fôlego; o homem não tem vantagem sobre o animal”.

Vejamos o texto de Jó que o site não cita:

Por que não morri eu desde a madre? E em saindo do ventre, não expirei?
Por que me receberam os joelhos? E por que os peitos, para que mamasse?
Porque já agora jazeria e repousaria; dormiria, e então haveria repouso para mim.
Com os reis e conselheiros da terra, que para si edificam casas nos lugares assolados,
Ou com os príncipes que possuem ouro, que enchem as suas casas de prata,
Ou como aborto oculto, não existiria; como as crianças que não viram a luz.
Ali os maus cessam de perturbar; e ali repousam os cansados.
Ali os presos juntamente repousam, e não ouvem a voz do exator.
Jó 3:11-18

O fião, todo o lamento de Jó é sobre o sofrimento na vida terrena. Se ele desejou a morte na vida terrena, isso não implica que não haja nada depois dela (Dã). Jó diz que preferia ter morrido antes de nascer a vir a nascer. Ele preferia ter ido direto pro repouso. Porque, como diz o texto de Apocalipse, os ímpios irão para o inferno no fim dos tempos, não quando morrem. A parábola do rico e do Lazaro em Lucas 16 deixa isso explicito: Os ímpios vão para o hades e os justos para o seio de Abraão e esperam a ressurreição geral no fim dos tempos.
Ja o texto de Eclesiastes, todo o contexto do livro fala da vida na Terra. O ponto do livro é dizer que não importam suas conquistas aqui, são vaidades, ja que depois da morte nada fica com a gente. Então, como o livro repete varias e varias vezes "debaixo do sol", ele esta falando da vida terrena.


5. “O inferno foi uma tática de intimidação” – Resposta


O site diz:

Enquanto algumas religiões cristãs como Testemunhas de Jeová e Adventistas do Sétimo Dia não ensinam a doutrina de inferno, outras religiões que seguem a bíblia sagrada cristã ensinam. Por que isso acontece? Ao longo da história, a ideia de inferno foi usada como uma tática de intimidação para manter os fieis na linha.
Um pregador do século XVIII conhecido como Jonathan Edwards ficou famoso por seu sermão “Pecadores na Mão de um Deus Irado”, em que dizia que Deus poderia mandar os pecadores para o inferno em qualquer momento. Ele fazia uma descrição do inferno e do sofrimento que havia por lá de dar arrepios em qualquer um.

De novo, como dito acima, a Bíblia ensina o conceito de inferno. E, de novo, isso seria mais um exemplo de falácia genética, tentando invalidar a verdade de uma crença a partir de como ela tenha se originado. (Se isso fosse verdade, é claro.) E, mais uma vez, isso não tem relação com o titulo do artigo.

Diferencia entre religiões cristãs e seitas pseudo-cristãs, por favor. As Testemunhas de Jeová não admitem nenhuma das doutrinas essenciais do Cristianismo, tem fontes extra bíblicas e tem uma tradução completamente errada da Bíblia. Já os Adventistas do Sétimo Dia admitem um inferno temporário. Então, melhor se informar melhor. Pelo menos ele não citou os Espiritas...
Para a curiosidade alheia, eu ja comentei sobre a doutrina das TJ e dos Adventistas da Aniquilação. Se tiver interesse, clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário