segunda-feira, 6 de junho de 2016

Podem Relativistas fugir de seus paradoxos auto refutáveis?



A resposta para o título é Não. Mas, como esse texto tem que no mínimo ser algo interessante, acredito que seja importante explorar mais do relativismo e mostrar porque pessoas como Nietzsche e Tico Santa Cruz contradizem a si mesmas o tempo todo. Então, no texto de hoje, vamos ver os paradoxos que o relativismo causa, e porque não da pra fugir deles. Alem de mostrar porque relativistas estão errando o alvo, e sempre vão errar, até que essa idéia imbecil e obviamente falsa acabe.

Podem Relativistas fugir de seus paradoxos auto refutáveis?


A Tática do Papa-Léguas e o problema da linguagem


Já demonstramos em um outro texto como a Tática do Papa-Léguas funciona e porque o problema da linguagem não escapa. Vamos exemplificar e mostrar novamente:

Afirmação: Não existem verdades absolutas.
Resposta: Isso é uma verdade absoluta?
Contra-resposta: Isso é apenas uma formulação da linguagem.
Resposta 1: E isso? É apenas uma formulação da linguagem?
Resposta 2: É uma verdade absoluta que isso é uma formulação da linguagem?

O paradoxo sempre vai continuar. Não por causa da linguagem, mas por causa do silogismo errôneo por trás da afirmação. Poderíamos colocar:

Premissa 1 – Não existem verdades absolutas
Premissa 2 – Se P1 for verdadeira, então ela é falsa
Conclusão – ?

Ou

P1 – Ou existem ou não existem verdades absolutas
P2 – Não existem verdades absolutas
P3 – Mas, se não existem verdades absolutas então P2 não é verdade absoluta
Conclusão – Portanto, ???

Ou

P1 – Não podemos conhecer a verdade sobre a realidade
P2 – Se P1 for verdade, então sabemos que a verdade sobre a realidade é que não podemos saber a verdade sobre a realidade.
Conclusão – ???

O paradoxo sempre se mantém. Não importa como tentem fugir.
Alem disso, há outro problema em afirmar que isso é apenas algo implicado pela formulação da linguagem. Quem argumenta dessa forma, normalmente vai dizer que a linguagem é uma invenção humana. Mas que, na realidade, sem a linguagem o problema se mantem. Agora, se você pensar nisso, vai ver porque isso esta errado. Isso pode ser demonstrado com um simples exemplo: Antes de existirem humanos e qualquer forma de vida inteligente, era verdade que o universo existia? Similarmente, era verdade que não haviam seres humanos?

É apenas uma negação?


Alguém pode responder, “Mas espere! Não estou afirmando uma verdade absoluta, mas sim negando que existam verdades absolutas!” Agora, note que isso não foge da estupidez do relativismo:

- Não existem verdades absolutas
- Essa é uma verdade absoluta?
- Não, pois estou negando que existam verdades absolutas.
- Então ela é falsa, pois não é uma afirmação verdadeira.
- Mas não estou afirmando, estou negando!
- Toda vez que você nega algo, esta afirmando algo. Porem, o oposto de “existem verdades absolutas” ainda assim é uma afirmação absoluta sobre a realidade. Logo, você não pode fugir do paradoxo.
- Mas estou afirmando que não há verdades absolutas!
- Mesmo assim é uma afirmação sobre a realidade... É como dizer que a realidade é que não existe realidade. O que é auto-refutável de qualquer forma.
- ...

Nós poderíamos também brincar:

- Não existem verdades absolutas
- Essa é uma verdade absoluta?
- Não estou afirmando uma verdade absoluta, mas sim negando que elas existam!
- É uma verdade absoluta que esta é uma negação de que hajam verdades absolutas?

Os paradoxos absurdos de Nietzsche


Nietzsche afirmou algumas coisas auto refutáveis:

- Não há fatos eternos
- Esse é um fato eterno?

- Não existem verdades absolutas
- Essa é uma verdade absoluta?

Agora, não só ambas excluem a si mesmas, como se aplicarmos uma à outra temos paradoxos mais interessantes. Veja o seguinte diálogo:

- Não existem verdades absolutas
- Isso é um fato eterno?
- Não há fatos eternos.
- Isso é uma verdade absoluta?

Ele também disse:

“Eu tenho o meu caminho. Você tem o seu caminho. Portanto, quanto ao caminho direito, o caminho correto, e o único caminho, isso não existe.”

Resposta:

Seria aceitar isso o único caminho? Ou é apenas o seu caminho?

Por essas e outras que ouso dizer que Nietzsche foi o cara mais auto refutável em toda a história do pensamento.

Mais Absurdos


Pensamentos como: “Eu tenho a minha verdade e você a sua”, são obviamente falsos. Pelo bem do argumento, vamos admitir que essa afirmação não seja auto refutável. Ela ainda assim é falsa. Veja esses dois exemplos de afirmações de verdade:

Cristianismo: Deus é a Trindade
Islamismo: Deus é apenas uma pessoa

Ambas não podem ser verdade ao mesmo tempo. Seria uma violação da Lei da Não-Contradição. De fato, nem ao menos o relativismo escapa tal conclusão:

Cristianismo: Jesus é o Caminho, a Verdade e a Vida.
Relativismo: Não há único caminho e nem verdade absoluta.

Ambas não podem ser verdadeiras, por causa, novamente, da Lei da Não-Contradição.

Que outras conclusões absurdas podemos tirar do relativismo?


Note que existem mais paradoxos lógicos que a afirmação relativista propõe. Tomemos como exemplo a frase já analisada:

(a) “não existem verdades absolutas”

Note que ela é logicamente equivalente à afirmação:

(a’) “existem mentiras absolutas”.

Agora, se você pensar um pouco verá o absurdo dessa frase. Se admitirmos que (a’) seja verdade (ué!) então deve haver uma verdade absoluta. Isso porque mentiras não existem. De fato, mentiras nem ao menos podem ser afirmadas sem que haja uma verdade antes. Então, (a’) implica exatamente aquilo que (a) nega. Em outras palavras, dizer que não existem verdades absolutas é o mesmo que dizer que todas as afirmações de verdade absoluta são falsas. Mas, falso não existe sem que o verdadeiro exista antes. Portanto, ainda assim a afirmação relativista é falsa em si mesma. 

Qual é o problema do relativismo?


O problema do relativista é não aplicar sua tese à realidade. Aquilo que fica apenas na cabeça pode ser uma ideia legalzinha, bonita e florida, onde todos fazem o que quiserem e tem seus deuses ególatras (quer dizer, a si mesmos). Mas é a realidade que vai dizer se essa tese é verdadeira ou falsa. Eu posso escrever livros e mais livros tentando mostrar que a grama é roxa com bolinhas amarelas. Apenas a realidade vai mostrar se isso esta certo ou errado. E mostraria que a grama é, na verdade, verde. Não é a minha preferencia pessoal que diz qual é a realidade ou a “minha realidade”. É a realidade que diz se minha crença é verdadeira ou falsa. Eu gostando ou não.
Eu tenho certeza de que há um argumento por trás da conclusão relativista. Mas a conclusão em si é falsa. E, se você simplesmente afirma a conclusão, esta incorrendo de petição de principio. Esta pressupondo o que quer provar. E mais: Os argumentos a favor geralmente são baseados em emoção, com um pouco de raciocínio. Mas, qualquer um que pensar mais a respeito saberá que é uma idéia absurda. 

Okay, existem verdades absolutas. Mas como saber qual é a verdade absoluta?


Essa é a pergunta seguinte. Mas, como a afirmação: “Não podemos saber a verdade sobre a realidade” é auto refutável e, portanto, falsa, então, necessariamente, seu oposto (“podemos saber a verdade sobre a realidade”) é verdadeiro. Eu propus uma forma em outro texto: Devemos avaliar o que conhecemos sobre a realidade e ver qual é a melhor explicação para esses fenômenos. O que explica melhor a realidade. As perguntas que devem ser feitas são:

- Por que existe qualquer coisa ao invés do nada?
- O que explica melhor a origem do universo?
- O que explica melhor o ajuste fino do universo para permitir vida?
- O que explica melhor a existência de verdades morais objetivas?
- O que explica melhor a existência de consciência?
- O que explica melhor a finalidade objetiva das coisas?
- O que explica melhor a aplicabilidade da matemática no mundo físico?
- O que explica melhor a existência do mal?
- O que explica melhor os fatos históricos a respeito do Jesus Histórico?

Dentre outras coisas que precisam ser explicadas na realidade. Eu argumentei na série “A Existência de Deus” e “A Ressurreição de Jesus” que a melhor explicação para os fatos da realidade que temos é o Cristianismo.
O Cristianismo não pode ser relativizado também. Quando dizem “esse é o seu cristianismo, mas fulano tem o cristianismo dele”, estão caindo também em uma violação da Lei da Não-Contradição. Uma pessoa não pode afirmar que a Bíblia permite varias interpretações, pois uma exclui a outra. O Espiritismo (seita pseudo-cristã) diz que Jesus não é Deus, ao passo que a gigantesca maioria de teólogos em toda a história do Cristianismo concluiu que a Bíblia diz que Jesus afirmava ser Deus. Isso é um consenso entre teólogos e historiadores do Novo Testamento. Então, qualquer afirmação relativista, tanto da realidade quanto da Bíblia é falsa em si mesma.

Conclusão



Como já foi demonstrado de novo e de novo, o relativismo é auto refutável e absurdo. É uma violação da lógica e não responde nada. É apenas um refúgio pra pessoas que querem ser deus. O relativismo nos leva a conclusão absurda de que se ele mesmo for verdadeiro, ele é falso, ao passo que, se for falso, é falso mesmo. A questão, “como sabemos a verdade?”, é uma questão posterior, e nada tem a ver com se podemos ou não saber a verdade. Relativismo é absurdo, e deveria ser abandonado por qualquer pessoa sincera a buscadora da verdade. E mais: Toda e qualquer posição intelectual do relativista terá de ser abandonada e ele não poderá argumentar em favor dela, ja que ela, desde o inicio, ja é tomada como falsa por não ser verdade.

4 comentários:

  1. Se não há relativismo, então há o absoluto, e deve haver provas para o mesmo.
    Prove que fazer sexo antes do casamento seja errado.
    Outras religiões dizem que não há problema nisso, portanto, você mesmo caiu em um relativismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Se não há relativismo, há ko absoluto" - sua citação parece ser uma falsa dicotomia.
      O autor do post refutou a frase de que "TUDO é relativo", mas ele não disse que considera ou não que algumas coisas podem ser relativas.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  2. Prove que as outras religiões são falsas.
    Prove que divorciar seja errado, Prove que homossexualidade seja errado.

    Tudo o que você fez foi usar raciocínio lógico para invalidar os argumentos, sendo que religião é algo completamente subjetivo.
    Ressurreição de Jesus, ok, também houve outras ressurreições, basta pesquisar.

    Isso não prova a existência de céu inferno eternos

    ResponderExcluir