terça-feira, 10 de março de 2015

Respondendo as "Dúvidas sobre o teísmo"


Então, tem essas “Duvidas sobre o teísmo” que me pediram pra responder no facebook. Elas vem de uma pagina ateísta chamada “Ateu mas não idiota”. Pelo menos, contrario as outras paginas ateístas, eles tentam lidar com os argumentos teistas. Mas mesmo assim, ainda tem um pouco de “zombaria” por trás.

Respondendo as “Duvidas sobre o Teísmo”


1- Por que a primeira causa tem que ser onisciente?

Nenhuma parte do argumento cosmológico diz que a primeira causa tem que ser onisciente.

2- Por que a primeira causa necessita de poder incomensurável?

Normalmente, esse atributo é implicado na primeira causa porque ela criou tudo a partir do nada.

3 - Por que a primeira causa precisa ter uma mente?

O modelo padrão do Big Bang diz que se traçarmos a expansão do universo ao inicio, chega ao um ponto onde nada material, temporal e espacial existia. Então, para não dizer o absurdo que o universo veio do nada, temos que postular uma causa que é imaterial, atemporal e não-espacial. Só existem dois candidatos a essa descrição: Um objeto abstrato ou uma mente sem corpo. Já que objetos abstratos não tem poder causal, a explicação mais plausível é a de uma mente sem corpo. O opositor pode objetar “mas não existem evidencias de que existam mentes sem corpo”. Mas note que a conclusão do argumento é outro argumento para uma mente sem corpo. Então, quem tem o ônus da prova aqui é o opositor.
Outro argumento que pode ser feito para uma causa pessoal, é que coisas impessoais não fazem nada novo. Elas sempre fazem a mesma coisa. Então, se a causa fosse um agente impessoal, o universo teria que estar presente junto com a causa pela eternidade. O único jeito de sair desse problema, é se a causa for um agente pessoal, que livremente escolhe causar o novo efeito. Por exemplo, um homem sentado pela eternidade, pode livremente se levantar.

4 - Como ela criou o universo a partir do nada?

É uma boa pergunta. Porem, se não existia nada antes do universo, então deve pelo menos ter existido uma causa eficiente.
Aristóteles distinguia entre causa eficiente e causa material. A causa material é o material que compõe o efeito. A causa eficiente é aquilo que trás a coisa a existência. Se não havia algo material antes, então pelo menos uma causa eficiente deve ter havido. O que não podemos dizer é que veio sem causa eficiente nem material.
Alguns exemplos de coisas que começam sem causa material:
Nossos pensamentos só têm causa eficiente (nós e nossos cérebros).
O universo esta expandindo. O que significa que novo espaço esta sendo criado.

5 - Por que teria necessariamente ser um Deus? Por que não poderia ser um alien?

Você pode chamar de alien. Mas ele teria que ser atemporal, imaterial, não-espacial, etc. Você só estaria trocando o nome.

6 - Mesmo que fosse um Deus, por que seria o seu Deus especifico?

O argumento cosmológico conclui para uma causa transcendente e pessoal. Nenhuma parte dele indica um Deus especifico. Ele é usado tanto pra Apologética Cristã, Judaica e Muçulmana.

7 - Ainda que seja o Seu Deus, por que ele criaria vida imperfeita, mandar informações contraditórias, criar o mal, e depois nos julgar sendo que ele em sua “onisciência” já saberia tudo o que iria acontecer, inclusive o que ele iria fazer antes mesmo de te criar?

Essa é uma objeção inteira ao cristianismo, não ao argumento cosmológico. Então, vamos por partes:

Criar vida imperfeita – Eu não sei se o “imperfeita” vem de ações ou de algo físico. Se for de ações, isso é por que simplesmente Deus não pode criar agentes livres que não possuem a capacidade de fazer escolhas. (isso já responde ao “criar o mal”). Se for sobre algo físico, é bem possível que Ele tenha criado o ser humano perfeito, mas como nós fomos nos depravando, nossos descendentes foram tendo a genética modificada e nasceram “imperfeitos”. Alem disso, nós não temos capacidade cognitiva para dizer se Deus tem ou não razões morais o suficiente para permitir o mal e a imperfeição.
Por fim, dizer que algo é imperfeito pressupõe que existiu algo perfeito. E algo perfeito precisaria de um designer perfeito.

Mandar informações contraditórias – Essas informações “contraditórias” estão nos detalhes secundários. Se quiser um estudo aprofundado do assunto, e sair da ignorância, recomendo que leia este livro de Norman Geisler e Thomas Howe.


Nos julgar sabendo o que ia acontecer – Porque Ele te ama. Deus não sabia uma possibilidade de futuro, mas todas as possibilidades. E uma dessas, você iria ver o amor dEle e segui-lo, assim não seria julgado. Deus não é um cara mal que estava sentado em Seu trono e disse “vou criar esses treco aqui e mandar os maus pro inferno/aniquilação”. Ele é um cara que nos criou simplesmente por nos amar. Mas, já que é logicamente impossível criar seres livres que não possam fazer escolhas, então Ele teve que arriscar um futuro possível onde as pessoas o rejeitassem livremente. E essas pessoas não irão pro céu. Nada mais justo, não? Você não quer Deus agora, não vai querer por toda a eternidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário