quinta-feira, 26 de março de 2015

Entropia em um universo em expansão


Um dos argumentos usados para a origem do universo, é o argumento de que, de acordo com a segunda lei da termodinâmica, a entropia (desordem de partículas) em um sistema fechado (como o universo) sempre aumenta. No caso do universo, ela aumentará até chegar a um ponto de equilíbrio, causando a “morte” do universo. Será que a cosmologia contemporânea refutou essa idéia, baseando-se na expansão do universo?

Entropia em um universo em expansão


De acordo com o argumento atual, dado o fato de que o universo vai expandir para sempre, sempre haverá mais espaço para a matéria e energia e, portanto, nunca chegará a um estado de equilíbrio. Isso então implica que o universo não teve um começo termodinâmico, mas sim que essa desordem nunca vai chegar ao estado escatológico.
O problema com esse argumento é que enquanto o universo expande, mais e mais de sua energia vai sendo usada, indo mais e mais a um estado de morte fria e escura, eventualmente se tornando um lugar cheio de gás e partículas subatômicas, expandindo eternamente na escuridão absoluta.
A questão então continua: Se o universo tem o passado eterno, então por que não esta agora nesse estado de morte escura e fria? 
Por outro lado, se o universo não expandir rápido o bastante, então chegará uma hora em que essa expansão começará a "brecar", chegando a uma pausa onde a gravidade fará o universo encolher até chegar a um enorme buraco negro, que nunca expandirá de novo. 
A questão, novamente, continua: Se o universo tem o passado eterno, então por que não esta agora nesse estado de buraco negro?
Estudos recentes dizem que o universo esta expandindo cada vez mais rápido, estando cada vez mais longe do estado de equilíbrio. Mas, cada região do universo acaba se tornando mais isolada uma da outra, e cada uma se torna mais escura e fria.
A questão, de novo, continua: Se o universo tem o passado eterno, então por que nossa região não esta agora nesse estado de morte escura e fria? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário