terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Reflexões sobre a Quinta Via de Tomas de Aquino e o Darwinismo


Uma coisa que me veio a cabeça a alguns meses enquanto eu estudava para a minha serie sobre Criação e Evolução e sobre a Quinta Via de São Tomas de Aquino, é uma possível união de um argumento para uma causa final no mecanismo Darwinista. (Você pode ler uma explicação da Quinta Via de Aquino aqui)

Aquino e Darwinismo

Aquino não via Gênesis 1 como sendo uma história literal. Ele dizia que Genesis era uma metáfora para a criação de Deus. Ele também não era um defensor do argumento do design. Ele, na verdade, via Deus como alguém que ordenava as coisas para um fim. Sua Quinta via diz o seguinte:

Premissa 1 – Nós vemos que corpos naturais trabalham com um objetivo, e não o fazem por acaso.

Premissa 2 – A maioria das coisas naturais não tem conhecimento.

Premissa 3 – Mas, como uma flecha atinge seu algo porque é direcionada por um arqueiro, o que não tem inteligência atinge seu objetivo sendo direcionado por alguma inteligência.

Conclusão – Portanto, algum ser inteligente existe que faz todas as coisas naturais serem direcionadas a seu objetivo; e este ser é o que chamamos de Deus.

Obviamente a teoria de Darwin não havia sido pensada na época. Mas podemos ver uma união entre o pensamento de Aquino com a evolução biológica?

O que diz o mecanismo Darwinista

O mecanismo proposto por Darwin diz que, através de pequenas modificações aleatórias causadas pelo ambiente em que uma espécie se encontra, chegamos as formas de vida atual. Agora, se esse mecanismo não inteligente tem um objetivo, de acordo com Aquino, esse objetivo tem que ter sido dado por uma mente inteligente. O mecanismo de Darwin tem um objetivo? Obviamente ele não tem um objetivo para cada ser vivo, nem é dito que esse objetivo é chegar até nós. No entanto, o mecanismo propõe que cada espécie que sobrevive passa essa informação de sobrevivência para seus descendentes e, com isso, eles podem sobreviver melhor ao ambiente em que se encontram.
Nós vemos que na natureza, diz Aquino, as coisas sem inteligência têm um propósito: Frutas servem de alimentação, sementes produzem arvores, oxigênio serve para nossa sobrevivência e para o planeta, etc.
Se o mecanismo proposto por Darwin tem esse objetivo de sobrevivência entre as espécies, como pode um mecanismo não inteligente ter um objetivo que não foi dado por ninguém? Aquino argumentaria que tal mecanismo iria exigir um Criador Inteligente que deu a este mecanismo uma finalidade. Este seria Deus.

Conclusão

Coisas naturais trabalham com um objetivo. O mecanismo proposto por Darwin não tem inteligência. Mas, como uma flecha é direcionada ao seu alvo, o mecanismo de Darwin tem como finalidade a sobrevivência das espécies. Portanto, o mecanismo de Darwin teve sua finalidade dada por uma mente inteligente.
É apenas um esboço de algo que pensei, provavelmente alguém ja pensou nisso antes, mas de qualquer forma, eu quis postar. Como não sou biólogo, talvez tenha algo errado nessa idéia. Deixo claro que apenas postei para reflexão. 

Um comentário:

  1. Como bióloga e cristã só posso agradecer pelo seu texto explicar brilhantemente como evolucionismo e criacionismo não se excluem! É o que sempre pensei!

    ResponderExcluir