quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Sobre moralidade #6 - Refutando o Relativismo Cultural

http://hyung1996.blogspot.com.br/2012/11/nacirema-cultural-relativism.html
Há também quem diga que moral difere de cultura pra cultura. Ora, aqui nós comemos carne de vaca, mas la na Índia as vacas são sagradas. Não seria isso prova o bastante de que a moral é relativa de cultura pra cultura?

Refutando o relativismo cultural


Confusão entre absolutos morais e percepção mutável de fatos

Usemos como exemplo as bruxas, que eram sentenciadas como assassinas no seculo XVIII, mas não são mais. O relativista diz que os valores mudaram, já que não matamos mais as bruxas. Mas essa afirmação deles esta incorreta. O que mudou não foi o principio de que assassinato é errado, mas a compreensão de se as “bruxas” podem ou não matar pessoas com suas maldições. Agora não acreditamos mais que elas podem fazer isso.

Divergência na aplicação e crenças

Na Índia é errado matar vacas, mas isso é porque la eles acreditam que as vacas são a reencarnação de seus ancestrais. Tanto la quanto aqui é errado assassinar nossa bisavó. Algumas tribos de canibais matam e comem pessoas de fora da tribo, mas isso porque, pra eles, pessoas de fora da tribo não são humanas. Essas pessoas (assim como Hitler) têm que arranjar alguma desculpa pra desumanizar seus alvos.

Opiniões podem estar erradas

O que difere é o que eles acham que é valoroso e suas opiniões sobre isso. Mas opiniões podem estar erradas. Se uma cultura acredita que matar seis milhões de Judeus é moralmente certo, isso não torna o ato certo. Quando avaliamos o relativismo cultural em relação a moral, o que muda não é o que cada cultura faz, mas como fazem.

Como são VS como deveriam ser

Observar como culturas são é apenas uma observação de um fato, apenas uma observação de como as coisas são, não como deveriam ser. Só por que as coisas são de um jeito, não significa que não deveriam ser de outro.

Não tem resposta certa.

Só por que Mexico, EUA e China não concordam em como o aborto deva ser tratado, por exemplo, não significa que não tenha uma resposta certa para o aborto.

Relativismo cultural refuta a si mesmo.

Digamos que alguém discorda do relativismo cultural, o relativista diz que não há visão correta absoluta de como as coisas deveriam ser, mas se esse for o caso, o próprio relativismo cultural não pode ser uma visão correta.

Da suporte a absurdos

Suponha que exista uma lei que diz que pessoas com olhos azuis são ilegais e sujeitas a pena de morte. Não haveria nada moralmente errado de acordo com a lei, mas seria moralmente errado ter olhos azuis. Na verdade, não é preciso imaginar, já que houve algo parecido com isso no passado, envolvendo Judeus. Holocausto e tals...

A sociedade não pode melhorar.

Se as leis determinam o que é moralmente certo e errado, significa que qualquer pessoa que proteste contra as leis é moralmente errada. Se alguma lei mudasse, não mudaria para uma lei melhor ou mais justa, seria apenas uma mudança de regras. Isso significa que pessoas como Jesus, Ghandi ou William Wilberforce são os maiores imorais da história.

Conclusão

Relativismo cultural tem problemas e nos leva a absurdos. Ele é auto-refutavel e não permitiria que a sociedade avançasse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário