terça-feira, 7 de outubro de 2014

Sobre moralidade #5 - Qualquer coisa que busque o progresso é bom?

Continuando a serie sobre a moralidade, agora falemos da teoria do Humanismo Obstinado, que diz que qualquer coisa que faça a sociedade avançar é boa. Dessa forma, tenta-se firmar a moralidade objetiva em algo que não seja Deus, criando uma lei moral que apenas existe para o ser humano progredir.

Humanismo Obstinado


É arbitrário


Essa visão diz que qualquer coisa que seja boa para a humanidade será algo bom. Mas, se o naturalismo/ateísmo for verdade, por que deveríamos acreditar que algo que leva ao progresso da humanidade seja mais valioso do que o progresso de formigas e ratos? Como podemos dizer que algo é certo apenas para o progresso? Se Deus e a Lei Moral não existem, por que infligir o mal a alguém é errado?

É implausível


Alguns podem dizer que essas propriedades de bom e mal estão vinculadas a atos naturais, por exemplo: A maldade esta vinculada com o ato de um homem bater em sua esposa. A bondade necessariamente esta vinculada com o ato de uma mãe amamentar seu bebe. Ora, Se Deus não existe, então isso é extremamente implausível. Por que pensar que “bondade” e “maldade”, que não são naturais, existam? Quanto mais pensar que de algum modo estão vinculadas a vários estados naturais de coisas? Como William Lane Craig escreve:

“Esses filósofos humanistas adotaram simplesmente uma abordagem às questões éticas semelhantes a uma ‘lista de compras’. Por sustentarem o humanismo, eles só se servem das propriedades morais que precisam para sua tarefa. O que é preciso para tornar a visão deles plausível é algum tipo de explicação do porquê de propriedades morais se vincularem a certos estados naturais de coisas.” [1]

Os humanistas estão esquecendo de dar uma razão, dado o naturalismo, para pensar que o ser humano seja valioso. Esse argumento pressupõe que o ser humano tenha valor moral, mas se o naturalismo for verdade, somos apenas pedaços de carne que andam, apenas rearranjos de partículas sem valor moral objetivo. A teoria também pressupõe que o avanço da humanidade seja algo bom. No entanto, dada a segunda lei da termodinâmica, o universo chegará a um estado de equilíbrio onde a vida não será mais possível. Então, pra que se preocupar em chegar até la?

Conclusão


Essa é uma tentativa de tentar firmar valores e deveres morais objetivos sem Deus. Mas, como vimos, ela é arbitraria, implausível e pressupõe a existência de valores morais objetivos.

Fontes


[1] – William Lane Craig, “Em guarda: defenda a fé cristã com razão e precisão”, p. 152

Nenhum comentário:

Postar um comentário