terça-feira, 9 de setembro de 2014

Os piores argumentos contra o Teísmo #5 - Ataques a Bíblia e a Cristãos

Então, eu tenho visto por ai gente que provoca Cristãos e/ou fala mal da Bíblia como se isso fosse um bom argumento para uma discussão seria.
Por exemplo, se o tópico da discussão é a existência de Deus, o Naturalista fala “Mas os Cristãos são intolerantes e preconceituosos!”. E isso funciona?

Ataques a Bíblia

Ataques a Bíblia só seriam úteis em uma discussão sobre a infalibilidade da Bíblia. Para defender o Cristianismo, só temos que defender a ressurreição de Cristo, o que temos boas evidencias.
Alguns podem dizer “A Bíblia apóia a escravidão!” ou “A Bíblia manda matar!”, mas isso só demonstra a ignorância no contexto histórico em que se passam as histórias. Nós vemos varias coisas do A.T. que foram abandonadas com o passar do tempo, como a circuncisão, por exemplo. Certas coisas do Antigo Testamento foram finalmente cumpridas e finalizadas no Novo Testamento com a vinda de Jesus.
As outras nações, como os cananeus, não eram julgadas por quebrar a lei mosaica, mas por quebrar verdades morais fundamentais que todo o ser humano conhece.
Era um mundo com uma economia baseada na escravidão, com cidades sempre em guerra, com casamentos poligâmicos para a continuidade de suas famílias. Chris Sinkinson diz:

“A Lei do A.T. regulariza essas coisas. Escravos agora são tratados como gente (Êxodo 21:2-11). Eles receberam direitos e agora não são vistos como meras possessões. Escravos Hebreus agora podiam comprar sua liberdade. […] Em comparação com a lei Babilônica, a Israel do A.T. era uma luz para as nações” [1]

Quando você compara a lei mosaica com outras leis de povos da época, você nota uma grande diferença: pessoas são tratadas como pessoas, não como propriedades. A lei de Moises já começa com ela afirmando que serventes são pessoas diferentes, e não propriedades. Em outras leis do antigo oriente médio, quando alguém fazia algo errado, o punido era sua mulher ou filho, mas no A.T. a pessoa punida é aquela que faz o ato errado. Nós temos na Bíblia os primeiros relatos históricos de escravos sendo tratados como pessoas para sua própria segurança e não apenas como algo de interesse de seus mestres.
Antigo oriente médio: O tratamento geral de escravos podia ser muito bruto e escravos estavam tipicamente a mercê de seus mestres. No Código de Hamurabi, por exemplo, é dito que se um escravo fugir e alguém ajudar, esse alguém deve ser morto.
Antigo Testamento: Apesar de ainda haver problemas, houve varias melhorias com relação ao resto do Antigo Oriente Médio. Haviam punições limitadas e atitudes mais humanizadas com relação aos escravos/servos. Por exemplo, quando um escravo tentava fugir ele não poderia voltar.
Esse é apenas um exemplo de como as coisas no A.T. eram bem diferentes do que o povo “super duper manjados” pensa. (Mais pra frente farei uma serie sobre isso)

Ataques a Cristãos

O primeiro que devemos esclarecer, é o fato de ter havido pessoas que disseram ser seguidoras de Cristo que cometeram atos maléficos e terríveis, dizendo que estão fazendo isso pelo beneficio de Cristo e Seu reino. Isso deve ser condenado pelo mal que é, pessoas más cometendo atos maus. Mas o erro dos Neo Ateus é atribuir a causa desses atos ao Cristianismo, como se estivessem simplesmente assumindo que essas atrocidades têm que ter vindo dele, quando na verdade há outros motivos que foram as causas. Isso é conhecido normalmente como um erro de atribuição. Um psicólogo social tem se dirigido ao movimento dos Neo Ateus por cometerem esse erro [2]. Esse erro seria como se eu dissesse que o ateísmo foi a única coisa que fez com que Stalin e Mao se tornassem ditadores assassinos. Não seria melhor olharmos pra todos os fatos que podem ter os tornado maus, ao invés de dizer que sua crença em Deus fez com que eles matassem milhões de pessoas?
O argumento todo é destruído quando vemos que Jesus ensinou amor e paz, ao invés de guerra e tortura. Soren Kierkegaard percebeu que essas pessoas não poderiam ser cristãs, pelo simples motivo de serem completamente opostos ao que Cristo ensinou. [3]
Jesus ensinou a dar a outra face (Mateus 5:39), amar seus inimigos e orar por aqueles que te perseguem (Mateus 5:44) e quando as brigas começarem, ao invés de participar, ir embora (Mateus 24:16). O Apostolo Paulo ensinou a viver em paz, se importar com suas famílias ( 1 Tessalonicenses 4:11; 2 Tessalonicenses 3:12) e viver em paz com todas as pessoas. (Romanos 12:18). Como é dito no livro “Misreading Scripture with Western Eyes”:

“Precisamos parar de escrever escrituras pelo lado das bombas. Nós temos que ser confiantes de que tal pratica não corresponde ao critério WWJD (What Would Jesus Do) […] Cristãos deveriam repetir o salmista: ‘por muito tempo eu vivi entre aqueles que odeiam a paz. Eu sou pela paz; mas quando eu falo, eles são pela guerra’ (Salmos 130:6-7).” [4]

Qualquer pessoa que se diz seguidora de Cristo, mas declara guerra em seu nome, claramente não segue seus ensinamentos. Mas uma visão distorcida do Cristianismo é completamente oposta ao que ele deveria ser. Se isso for verdade, então aqueles que dizem estar matando em nome de Cristo, não poderiam estar seguindo os ensinamentos de Cristo. Como diz John Lennox:

“[Os novos ateus] indesculpavelmente confundem males do renegado Christendom com os ensinamentos de Cristo, e pensam que violência é parte da fé cristã; quando a fé cristã mesmo na verdade explicitamente repudia a violência e a exploração religiosa. Os Novos Ateus deveriam estas aplaudindo Cristo, não o condenando.” [5]

Ironicamente, críticos seculares do Cristianismo estão usando morais baseadas no Cristianismo para denunciá-lo. O historiador C. John Sommerville argumenta em seu livro que as visões morais anteriores ao surgimento do Cristianismo eram bem diferentes do que as pessoas têm hoje em dia, e que o Cristianismo é responsável por moldar nossas visões morais no oeste. Para ilustrar isso, Sommerville mostra sociedades pré-cristãs, como os Anglo-saxões, que eram sociedades baseadas na honra, onde conseguir respeito e honra dos outros era a coisa mais importante, que mudou com a vinda dos monges Cristãos que tinham orgulho de caridade, serviços, e colocar os outros antes de si mesmo. Ele pergunta aos estudantes, se eles vissem uma velha senhora com uma bolsa nos braços, por que é errado roubar dela? A resposta dos anglo-saxões, e outras sociedades baseadas na honra, seriam: “Se você pegar do fraco, você será desprezado porque ninguém vai respeitá-lo se você não se respeitar primeiro”, o que é claramente uma ética egocêntrica. Enquanto a resposta dos estudantes, era que isso era errado porque causava dano e perturbação para a senhora. Sommeville argumenta que o Cristianismo mudou nossas visões éticas das idéias baseadas na honra para sociedades que valorizam humildade, paz, serviço aos outros e amar ao próximo. Então se você pensa que é mais ético se importar com seu próximo ao invés de sua própria honra, você deve agradecer ao Cristianismo. [6] Dr. Os Guiness diz:

"Se Jesus nunca tivesse nascido nós não teríamos Francis de Assisi, nem William Wilberforce nem Madre Teresa. O mundo seria um lugar muito cruel." [7]

Então, essa idéia do Cristianismo ser prejudicial é um conto de fadas sem fundamento. [8]

Falacia Ad Hominem

Essa falacia é cometida quando se ataca a pessoa ao invés do argumento dela. Isso não funciona e é muito usado por criancinhas.

Um Padrão?

De acordo com que padrão, é dito que Cristãos ou a Bíblia são maus? Se não existir um Deus, não existe um padrão imutável de bondade acima da humanidade. Não há Lei Moral sem um legislador. Você pode dizer “estupro é errado!” ou “homofobia é errado!” e qualquer um pode revidar dizendo “Quem disse?”. Como disse Fyodor Dostoyevsky, “se Deus não existe, tudo é permitido”. (Farei uma serie sobre Moralidade, falando de teorias seculares e etc.)

Conclusão

Ataques a Bíblia e a Cristãos são péssimos argumentos. Primeiro porque partem da ignorância, segundo porque sem Deus não existem certos e errados objetivos. Portanto, há como fazer acusações a ninguém.
  
Fontes

[1] – Bethinking: Unapologetic Christianity – Is God a Monster? - http://www.bethinking.org/god/unapologetic-christianity-is-god-a-monster
[2] - Amarnath Amarasingam, “To Err in their Ways: The Attribution Biases of the New Atheists” –http://www.academia.edu/474478/To_Err_in_their_Ways_The_Attribution_Biases_of_the_New_Atheists
[3] - Soren Kierkegaard “Attack upon Christendom”
[4] - E. Randolph Richards & Brandon J. O’Brien “Misreading Scripture with Western Eyes”, p. 185
[5] - Dr. John Lennox “Gunning For God: Why the New Atheists are Missing the Target”, p. 68
[6] - C. John Sommerville “The Decline of the SecularUniversity” Page 63-70
[7] - What if Jesus Had Never Been Born? –https://www.youtube.com/watch?v=uHLioeL9dYk (38:46)
[8] – A parte “ataque a Cristãos” foi traduzida de – Inspiring Philosophy, “Is Christianity Evil?

Nenhum comentário:

Postar um comentário