terça-feira, 26 de agosto de 2014

Criação e Evolução #2 - Três aspectos da teoria e processos aleatórios

Seria a evolução um fato? Quem leu meu primeiro texto sobre Ciência e Teologia leu também que eu sou um Teista Evolucionista. Isso significa que eu acredito que a evolução foi guiada (não, não há nada na teoria que diga que ela não possa ter sido guiada). Agora, nessa serie, vou falar sobre as evidencias a favor e contra a evolução.

Três Aspectos da Teoria Evolucionista

Em seu livro “Darwin’s Gift to Science and Religion”, o biólogo evolucionista (e cristão!) Francisco Ayala distingue três aspectos da teoria evolucionista:

1- Evolução: Modificações em seres vivos

Este seria o processo de modificação em seres vivos através do tempo. Organismos são descendentes de outros organismos com modificações.

2- História Evolucionaria: Reconstrução da arvore da vida (a tese do ancestral comum)

Essa seria a reconstrução da arvore da vida. Toda a linhagem de uma espécie para a outra. Essa segunda pressupõe a tese do ancestral comum, que diz que todos os organismos vivos descendem de um único ancestral.

3- Darwinismo: O mecanismo por trás da mudança evolucionaria é a seleção natural em mutações nos seres vivos.

Essa terceira é a contribuição de Charles Darwin para a teoria da evolução (sim, teorias da evolução existiam antes de Darwin). Esse é o mecanismo que Darwin usou para explicar a adaptação dos organismos ao ambiente.

O que é fato e o que não é

Com respeito a (1), é isso o que biólogos querem dizer quando dizem que a evolução é um fato (e isso é aceito até por Criacionistas de Terra Jovem).
Já quanto a (2) e (3), estes não são “fatos”. Eles são possíveis (e temos evidencias pra isso), mas não são completamente estabilizados. Como Ayala diz:

“A segunda e a terceira questões – que procuram verificar a história evolucionaria assim como explicar como e por que a evolução acontece – são questões de investigação cientifica ativa. Algumas conclusões são bem estabelecidas. Muitas questões são menos certas, outras são especulativas, e ainda outras [...] são gigantescamente desconhecidas.” [1]

Sobre (2), ele diz:

“Infelizmente, ainda muito, muito a ser descoberto. Para a reconstrução da história evolucionaria, nós temos que saber quais mecanismos operam em detalhe, e nós temos a vaga idéia de como eles operam no nível genético, como a mudança genética se relaciona com o desenvolvimento e a função [...] Eu estou dizendo que o que seria descoberto seria não apenas os detalhes, mas os principais princípios” [2]

Ele também avisa:

“Os mecanismos responsáveis por essas mudanças ainda estão sob investigação [...] A evolução dos organismos é universalmente aceita por cientistas biológicos, enquanto os mecanismos da evolução ainda estão sob investigação ativa e estão sujeitos a investigação entre os cientistas.” [3] 

Sobre “processo aleatório”

É importante destacar que, apesar do que se diz por ai, quando cientistas dizem que o processo é “aleatório”, eles não querem dizer que é “por acaso” ou “sem proposito”. Dizer essas coisas não faz parte da teoria da evolução, são declarações filosóficas de biólogos naturalistas apenas. A ciência não esta na posição de dizer que as mutações não foram guiadas com um propósito ou não projetadas. Como alguém pode dizer, com base nas evidencias cientificas, que todo o processo não foi providenciado por Deus para eventualmente aparecer o Homo Sapiens no planeta Terra? Como alguém pode dizer que a evolução de répteis para pássaros não foram mutações causadas por Deus?
Se admitirmos que Deus tenha conhecimento médio, então Deus poderia ter preparado o processo evolutivo para chegar seu objetivo. (se levarmos em conta que as condições iniciais do Big Bang foram perfeitamente ajustadas para haver vida, então podemos ver que essa visão é bem plausível também). É cientificamente impossível fazer alegações quanto ao processo evolutivo ser guiado ou não. Enfim, quando biólogos usam a palavra “aleatório”, eles querem dizer é que ocorrem independentemente do seu beneficio para o organismo hospedeiro. Como Ernst Mayr diz:

“Quando é dito que a mutação ou variação é aleatória, a afirmação simplesmente significa que não há correlação entre a produção de novos genótipos e a adaptação necessária de um organismo em um determinado ambiente.” [4]

Conclusão

No texto acima eu mostrei que a evolução apenas é um fato no sentido de mudanças nas espécies, mas os mecanismos e a arvore da vida ainda não são bem estabelecidos. Também falei sobre o tal “processo aleatório” e porque ele não exclui Deus da cena.
No próximo texto vou falar sobre a evidencia genética para a evolução e a tese do ancestral comum.

Fontes

[1] – Francisco J. Ayala, “Darwin’s Gift to Science and Religion”, p. 141-142
[2] – Citado por Larry A. Witham, “Where Darwin Meets the Bible: Creationists and Evolutionists in America”, p. 90
[3] – Francisco J. Ayala, “The Evolution of Life: An Overview” em “Evolutionary and Molecular Biology: Scientific Perspectives on Divine Action”, p. 22
[4] – Ernst Mayr, “Towards a new Philosophy of Biology: Observations of an Evolutionist”, p. 98.

Nenhum comentário:

Postar um comentário