domingo, 24 de agosto de 2014

Criação e Evolução #1 - Uma introdução ao Criacionismo Evolucionário

Junto com a minha serie sobre a origem do universo, também trarei outras series. A segunda a entrar é sobre evolução e criação.
Se você é Cristão, tem realmente que acreditar no significado literal de Gênesis, que diz que o mundo foi criado a menos de 10 mil anos e que o homem veio do barro? Que a mulher nasceu da costela do homem?


Minha “jornada”

Quando eu era agnóstico, o uso do argumento da evolução contra Deus não fazia sentido nenhum pra mim. Afinal, Deus pode criar da forma que quiser, não? E a criação da forma que esta descrita na Biblia poderia ser só simbólica.
Algum tempo depois, ja Cristão, descobri que existia um posicionamento chamado de “Evolucionismo Teista” ou “Criacionismo Evolucionista”.

Criacionistas Evolucionários

Francis Collins, um geneticista Cristão e Ex-Diretor do “National Human Genome Research Institute”, é um desses Evolucionistas Teistas. Quando perguntado “O que dizer quando seus colegas Cristãos dizem ‘evolução é apenas uma teoria, e eu não consigo colocar isso junto com a idéia de um Deus criador’”, ele respondeu:

“Bem, a evolução é uma teoria, é uma convincente. Como alguém que estuda DNA, o fato que nós somos 98.4% idênticos ao nível de DNA de um chimpanzé, é bem difícil de ignorar o fato quando eu estou estudando um gene particular, eu posso ir a um rato e achar um gene similar, e é 90% o mesmo. É certamente compatível com a teoria da evolução, mesmo que seja uma teoria que nós nunca poderemos provar. Eu sou um Evolucionista Teista. Eu tenho a visão de que Deus, em Sua sabedoria, usou a evolução como seu projeto criativo. Eu não vejo por que essa seria uma idéia tão ruim. Isso é incrivelmente criativo de Sua parte. E o que há de errado com isso como uma forma de colocar junto de um jeito sintético a visão de Deus que esta interessado em criar um grupo de indivíduos que Ele pode se relacionar com – nós? Por que a evolução não poderia ser um jeito apropriado de chegar ao objetivo? Eu não vejo um problema com isso. O único problema que impede isso de seguir em frente são aqueles que querem interpretar Gênesis 1 de uma forma bem literal. E essa interpretação é moderna. Santo Agostinho em 400 d.C., sem nenhuma razão para tentar ser um apologista de Charles Darwin, concordava que essa não era uma forma particularmente apropriada de interpretar as palavras escritas no primeiro capitulo de Gênesis.” [1]

Como os Cristãos interpretavam Gênesis antes de Darwin?

Contrario ao que possa parecer, interpretações diferentes de Gênesis não são nada novo. Santo Agostinho (354-430), John Calvin (1509-1564), John Wesley (1703-1791) e outros acreditavam na ideia de “Acomodação”. Nessa visão, Gênesis 1-2 foi escrito de forma simples para que as pessoas da época entendessem.
Os primeiros capítulos de Gênesis são escritos em linguagem semi-poetica, não histórica e admite diversas interpretações. Muitos pais da igreja e rabinos ja tinham interpretações diferentes de Gênesis muito antes de Darwin. Santo Agostinho, percebeu esse tipo de linguagem em varias partes da Bíblia. Ele escreveu:

“De maneiras que são tão obscuras e muito alem de nossa visão, nós encontramos nas Escrituras Sagradas passagens que podem ser interpretadas de varias formas diferentes sem prejudicar a fé que nós recebemos. Nesses casos, nós não deveríamos nos apressar e ficar apenas de um lado, se o progresso na busca pela verdade justamente acabar com essa posição, nós caímos com ela.” [2]

Em seu “Comentário ao Gênesis”, ele sugere que Deus criou o mundo em etapas que vão se desenrolando e desenvolvendo gradualmente ao longo do tempo. São Tomas de Aquino também argumentava que Deus não criou tudo em seu “estagio final”, mas criou eles com potencial para se desenvolver como ele queria.

Outros pensamentos mais modernos

Em seu livro “7 Days That Divide The World”, o filosofo da ciência John Lennox argumenta que como cristãos, não precisamos necessariamente acreditar no Criacionismo de Terra Jovem (quer dizer, que Deus criou o homem e o universo a 6000 anos). Ele diz:

“Em vários lugares um entendimento literal não vai funcionar. Vamos olhar um exemplo do dia-a-dia. Todos nós entendemos quando uma pessoa diz 'O carro voou rua abaixo! '. O carro e a rua são literais, mas 'voou' é uma metáfora. No entanto, nós também estamos cientes de que a metáfora significa algo real que poderia ser expresso mais literalmente como 'dirigindo rápido'. Apenas porque a sentença contem uma metáfora, isso não significa que não se refere a algo real" [3]

Em várias partes das Escrituras são usadas metáforas. Ninguém pensa que Jesus é na verdade vinho (João 15:1) ou uma porta (João 10:9). Ninguém acha que Deus tem asas por causa de Salmos 91:4. Salmos 93:1 e Salmos 104:5 dizem que a Terra esta parada e nunca se move, mas sabemos atualmente que ela gira em torno do sol. Significa que a Bíblia esta errada? Lennox explica:

“Agora nós sabemos que a terra não se mantem literalmente em fundamentos ou pilares [...] Nós podemos então ver que as palavras ‘fundamento’ e ‘pilares’ são usadas como metáfora. No entanto, deve ser enfatizado mais uma vez que metáforas se mantem para realidades. Deus o Criador criou estabilidades muito reais no sistema planetário que garante sai existência enquanto é necessário para cumprir seu propósito. A ciência foi capaz de nos mostrar que a terra esta estável em sua órbita por longos períodos de tempo, graças em parte a obediência da gravidade a uma lei inversa, a presença da lua, que estabiliza o eixo da terra, e a existência do planeta gigante Júpiter, que ajuda a manter os outros planetas no mesmo plano orbital. A estabilidade da terra é, portanto, bem real [...] Mesmo se nossa interpretação depende de conhecimento cientifico, ela não compromete a autoridade das Escrituras. E esse é o ponto importante. As Escrituras tem a autoridade. Experiência e ciência nos ajudaram a decidir qual possível interpretação as Escrituras permitem.” [4]

Os relatos iniciais de Gênesis não são escritos como relatos históricos, são escritos em forma de poema. Todas as frases começam com “E Deus disse”, e logo em seguida “E Deus viu que era bom”, “que haja”, dentre outras. Essas formas de narrativa não são de narrativa histórica. O uso de “luminar maior” para o sol e “luminar menor” para a lua são exemplos distintos de linguagem poética.
Se o relato da criação é para ser lido como uma narrativa histórica, então por que não é escrito como o resto de Gênesis? Por que é escrito como um poema e não como uma narrativa histórica? Parece que o autor de Gênesis não queria fazer uma narrativa histórica, mas sim nos contar um poema de Deus majestosamente criando o mundo.
Outra coisa a se notar é que a linguagem é muito vaga. A palavra usada para “dia” no original é “Yom”. No entanto essa mesma palavra é usada nas Escrituras para se referir a outras coisas como “luz do dia” (Gênesis 1:5; João 11:9), “tempo” (Gênesis 4:3; Isaias 30:8), “ano” (1Reis 1:1; Crônicas 4:4), “estação” (Gênesis 40:4; Josué 24:7), “continuamente” (Salmos 139:16) e “era” (Gênesis 18:11, 24:1, 47:28; Josué 23:1, 23:1, 23:2). Também não faria sentido os três primeiros dias existirem sem o sol, e muitos pais da Igreja notaram isso.
John C. Collins diz:

“O verbo ‘fez’ em Gênesis 1:16 não significa especificamente ‘criou’; pode se referir a isso, mas pode se referir também a ‘trabalhando em algo que já esta la’” [5]

Considerações teológicas

Por que Cristãos deveriam considerar a criação evolucionaria?

Primeiro, porque é o estudo da criação de Deus. Criação é a revelação do que é comunicado através das escrituras, e ela mostra como e quando Deus trouxe vida, para sua honra e gloria.
Segundo, estudar a criação evolucionaria é melhor para a missão da Igreja, ajudando jovens Cristãos em sua fé, ajudando a responder a critica e equipando-nos para nos relacionar efetivamente com a cultura. Uma atitude anti-evolução pode ferir Cristão jovens apresentando a eles uma falsa escolha entre apoiar a ciência ou se manter em sua fé. Isso também pode piorar a missão do evangelho quando alguém escuta que devem rejeitar a ciência e seguir a Cristo. Esse estudo também ajuda Cristãos a responderem a critica que diz que a ciência encoraja uma visão de mundo ateísta. [6]

Como os Cristãos da época reagiram a teoria da evolução?

Um dos primeiros a apoiar a teoria da evolução foi o biólogo Cristão Asa Gray. O Teólogo B.B. Warfield também aceitou a evolução e ambos rejeitaram que evolução levava ao ateísmo.

A idade da Terra

Não é necessário também crer que a Terra tem 6000 anos por causa da genealogia mostrada nas Escrituras. Na tradição Hebraica, seqüências de “pai pra filho” podem representar fatos da vida ou longas series de gerações. Mateus, por exemplo, pula varias gerações mencionadas no livro 2Reis.

Haviam mortes antes da “queda”?

Para responder a isso, vamos ver o que o Apostolo Paulo diz em Romanos 5:12:

“Portanto, da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecaram;”

Repare que esse verso apenas diz que a morte veio a todos os homens, não a todas as coisas vivas. Seria impossível a morte chegar a todas as coisas vivas, já que Deus ordenou que Adão e Eva comecem coisas vivas. A morte da vida de plantas não pode ser resultado do pecado, já que Deus permitiu a morte das plantas para o homem comer.
A morte do ser humano aparece bem mais tarde na história. As passagens que se referem a morte claramente estão falando sobre a morte do homem. Elas se referem a animais? Bom, Tomas de Aquino acreditava que não. Ele acreditava que a criação original de Deus incluía animais que matavam um ao outro. Ele escreveu:

“A natureza de animais não foi mudada pelo pecado do homem.” [7]

Pastor Daniel Harrel diz que deve ter havido morte no Jardim, de outra forma, Adão teria sido devastado por insetos e bactérias antes dele conseguir dar qualquer mordida na fruta. [8] [9]

Jesus mentiu?

Essa objeção usa as palavras de Jesus em Marcos 10:6, onde Jesus diz:

“Mas no princípio da criação Deus ‘os fez homem e mulher’.” (Marcos 10:6)

No entanto, essa passagem esta fora de contexto. Quando lemos o capitulo completo, vemos que Jesus esta falando em contexto de casamento:

Eles disseram: ‘Moisés permitiu que o homem desse uma certidão de divórcio e a mandasse embora’.
Respondeu Jesus: ‘Moisés escreveu essa lei por causa da dureza de coração de vocês.Mas no princípio da criação Deus ‘os fez homem e mulher’.‘Por esta razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher,e os dois se tornarão uma só carne’. Assim, eles já não são dois, mas sim uma só carne.Portanto, o que Deus uniu, ninguém o separe’”. (Marcos 10:4-9)

O Problema da Moralidade

Alguns irão argumentar que, se a evolução é verdade, então não existe uma moralidade objetiva, já que todos nós viemos de animais e animais não obedecem a Lei Moral.
Eu nunca achei essa objeção muito boa e nunca entendi por que a usam. O fato de algo ser certo ou errado independe do método que Deus usou. Ele pode ter usado a evolução e com ela nós fomos percebendo essa Lei Moral.

Como podem humanos ter evoluído e ainda serem feitos “a imagem de Deus”?

O sentido de “a imagem de Deus” é debatido a séculos. Uma visão comum é a de que a imagem de Deus se refere as habilidades humanas que nos separam de animais. No Antigo Oriente Médio, a ideia de “ser a imagem de Deus” se refere ao homem sendo o representante de Deus na Terra. Para se cumprir essa função, o ser humano teria que ter algumas propriedades como consciência, racionalidade, liberdade e se manter em relações pessoais.

Conclusão

Eu ainda vou falar de Adão e Eva, mas o ponto que eu queria fazer esta feito. Como eu disse (e sempre direi), evolução é perfeitamente compatível com o Cristianismo. Obviamente eu não vou dizer que todos os cristãos tem que aceitar a evolução (e eu diria que há alguns motivos para duvidar dela), mas eu sou contra a ideia de dizer que Cristãos podem crer na interpretação literal. Você pode acreditar na criação e na evolução. Como Alvin Plantinga colocou:

“Não há conflito real entre a religião teista e a teoria cientifica da evolução. O que há, na verdade, é o conflito entre a religião teista e a interpretação filosófica adicional a doutrina da evolução: a afirmação que a evolução não é dirigida, não é guiada, não é orquestrada por Deus.” [10]

E Charles Darwin concluiu:

"Há uma grandeza nessa visão de vida, com seus vários poderes, tendo ela sido lançada como o sopro da vida originalmente pelo Criador em poucas formas ou uma; e que, enquanto este planeta vinha orbitando de acordo com a lei da gravidade estabelecida, a partir de um inicio tão simples, inumeras formas, cada vez mais belas e maravilhosas foram, e continuam, evoluindo." [11]

Agradecimento: Inspiring Philosophy

Fontes

[1] – Bob Abernethy’s interview with Dr. Francis Collins, Director of the Human Genome Project at the National Institutes of Health - http://www.pbs.org/wnet/religionandethics/?p=15204
[2] – Santo Agostinho, “The Literal Meaning of Gênesis”
[3] – John Lennox, "Seven Days That Divide the World", p. 23
[4] – Idem, p. 33
[5] – Idem, p. 59
[6] – BioLogos: Why should Christians consider evolutionary creation? - http://biologos.org/questions/why-should-Christians-consider-evolutionary-creation
[7] – São Tomas de Aquino. Summa Theologica, Parte 1, Questão 93, Artigo 1. Artigo Online - http://www.newadvent.org/summa/1096.htm
[8] – Daniel Harrell. “Death’s Resurrection”, BioLogos Forum - http://biologos.org/blog/deaths-resurrection
[9] – Did death occur before the Fall? - http://biologos.org/questions/death-before-the-fall
[10] – Alvin Plantinga, “Where the Conflict Really Lies - Science, Religion and Naturalism”, p. 12
[11] - Charles Darwin, "The Origin of Species", p. 452

Nenhum comentário:

Postar um comentário